Cornell Capa revelava filmes na Magnum para seu irmão Robert

Conheça o trabalho do repórter fotográfico Cornell Capa que revelava filmes na Agência Magnum para seu irmão famoso, o fotojornalista de guerra, Robert Capa e para Cartier Bresson e David Seymour, no foto-áudio reportagem realizado por Isabela Afonso e Jeferson Vita – estudantes do 2º semestre do Curso de Jornalismo da ESPM-SP, sob orientação do prof. Erivam de Oliveira.
Em 1918 nascia em Budapeste, Cornell Capa. Aos 18 anos se mudou para França com seu irmão, Robert Capa um dos fotojornalistas de guerra mais reconhecidos da história. Sua vocação humanitária a princípio o motivou a ser médico, mas a necessidade de ganhar dinheiro o levou a trabalhar para Robert, Henri Cartier-Bresson e David Seymour revelando seus filmes no banheiro de um hotel em Paris. Mal sabia ele que essa experiência o tornaria um fotojornalista renomado.
.Em 1937, se mudou para Nova Iorque onde construiu uma carreira invejável como fotojornalista. Inicialmente, Capa trabalhou no laboratório de fotografia da revista Life e somente em 1946 foi integrado efetivamente em sua equipe de fotojornalistas. Em 1954 iniciou sua carreira na agência Magnum e dirigiu o influente International Center of Photography (ICP) que ele mesmo fundou em Nova Iorque.
Dentre os muitos trabalhos de Cornell na revista Life, se destacam os retratos de personalidades como Jack Paar, o pintor Frandma Moses e Clark Gable. Capa também ficou conhecido por suas coberturas das campanhas eleitorais de Nelson Rockfeller, Adlai Stevenson e, sobretudo, dos irmãos Robert e John Kennedy (JFK) que entraram para a história. Em parceria com Cartier-Bresson e Elliot Erwitt, inclusive, publicou um livro sobre o presidente John Kennedy em seus cem primeiros dias de mandato.
A partir de 1953, Capa viajou frequentemente para a América Central e do Sul cobrindo conflitos políticos, eleições, e assuntos relacionados à liberdade de expressão e aos direitos trabalhistas. Ele esteve presente na queda do regime ditatorial de Juan Perón na Argentina, em 1955, e na Nicarágua após o assassinato do ditador Anastasio Somoza. Nos anos 60 e 70, se uniu com antropólogos e sociólogos nos trabalhos de denúncia sobre o drama de tribos amazônicas ameaçadas, que expôs no livro Farewell to Eden(1964).
Além de fotos icônicas, o engajamento de Capa está expresso com profundidade em importantes ensaios fotográficos, entre eles um estudo pioneiro sobre crianças com deficiência mental, uma reportagem sobre as dificuldades dos idosos nos EUA e uma série sobre uma geração de jovens empresários ambiciosos publicada no livro New Breed on Wall Street (1969).
Cornell Capa faleceu em 2008, aos 90 anos, unindo-se aos “fotógrafos preocupados” a quem ele havia prestado homenagem em 1966, com a criação do International Fund For Concerned Photography, e mais tarde com o International Center of Photograph, criado em 1974 para dar novo impulso ao fotojornalismo.

Notícias Relacionadas

Deixe seu comentário