Dimang Kon Beu – fotografando a vida com os olhos do coração

Especiais

Erivam Oliveira

No foto-áudio reportagem do Memórias do Fotojornalismo Brasileiro realizado por Tiago Tiezzi e Wivyanne Leiso – 1º semestre do Curso de Jornalismo da ESPM-SP, sob orientação do prof. Erivam de Oliveira, conheça o trabalho do fotojornalista Dimang Kon Beu, que sofre com grave doença degenerativa que pode provocar a perda total de sua visão.
A fotografia tem o poder de parar uma ação no tempo, tem a magia de congelar a emoção.
Inspirador, autodidata, apaixonado, professor, viajante, sonhador, bem sucedido, um homem a frente do seu tempo. O fotojornalista que nos presenteia com suas belas imagens é Dimang Kon Beu.
Natural de São Paulo. Dimang é de família chinesa, mais especificamente de Hong Kong. Fala fluentemente inglês, francês e chinês, e um pouco de espanhol. Nasceu em 25 de novembro de 1961. Aficcionado por retratos desde a infância viveu momentos marcantes com aquela que se tornaria sua grande paixão, a fotografia.
Na fotografia você pode com os olhos do coração e da sua alma, sentir amor, raiva, frio, repugnância, íra, humor, vários tipos de sentimentos é possível desde que esteja bem registrado nas imagens. Isso é o que faz da fotografia aquela coisa mágica que todo mundo se apaixona.
Dimang conta que o interesse pela fotografia surgiu ainda na infância, aos 6 anos de idade. Quando observava sua família se reunindo para a tradicional foto anual.
Em 1970 a irmã de Dimang trouxe dos Estados Unidos uma máquina fotográfica. Foi a oportunidade que ele queria de ter em suas mãos uma câmera. Emprestada da irmã, a máquina se tornou sua companheira, a levando para todos os lados.
Seu primeiro trabalho remunerado com fotografia foi como assistente de Lew Parrella conhecido mundialmente. Essa experiência o ajudou a crescer profissionalmente e a desenvolver muitas técnicas.
Por sua grande experiência e sensibilidade na hora de fotografar, Dimang trabalhou com as melhores marcas de empresas e veículos de comunicação do Brasil e do mundo.
No ano de 2000, aos 40 anos de idade Dimang recebeu a notícia da retinose pigmentar, doença degenerativa que leva a perda total da visão. Surpreso com com essa informação, Dimang passou meses em depressão. Buscou um tratamento em Hong Kong e naquele período a doença se estagnou. Hoje Dimang não fotografa como antes, tem diversas limitações.
Dimang aprendeu a lidar com a doença e a enfrenta com otimismo e fé.
Eu diria que hoje minha cabeça está bem resolvida e muito tranquila. Mas no começo não foi muito fácil não. Mas Deus tem planos maravilhosos para nossas vidas. Acredito que minha fé, Ele continua bastante intensa. Eu sei que Ele tem sempre algo melhor para me mostrar que eu preciso descobrir.

Em relação a minha perda visual eu vejo como um ganho na realidade porque Deus está permitindo eu aprimorar, ver com os olhos do meu coração.
Atualmente Dimang ministra cursos de fotografia presencial e online e tem alunos no mundo todo, como Japão, China, África do Sul, Azerbaijão, Estados Unidos e Brasil.
Dimang realmente é uma inspiração. Suas palavras traduzem perfeitamente o significado da fotografia.

Deixe Seu Comentário

*Preenchimento obrigatório.