Pelo Mundo ESPM na terra encantada da Finlândia

Especiais

Erivam Oliveira

Eu sou Amanda Krainer, estudante do 6º semestre do curso de Jornalismo da ESPM São Paulo. O Pelo Mundo ESPM te leva para conhecer os encantos da Finlândia.
A Finlândia tem pouco mais de 5,3 milhões de habitantes e está localizada no continente europeu. É o oitavo maior país da Europa em extensão e o país menos densamente povoado da União Europeia. Cerca de 75% do território finlandês é composto por florestas e o país faz divisa com a Noruega, Rússia, Suécia e ao sul, separada pelo Golfo da Finlândia, está a Estônia.
As estações do ano são bem definidas, mas, por ser um país do hemisfério norte, o clima é predominantemente mais frio. Helsinki está entre as capitais mais frias do mundo. O inverno é extremamente rigoroso e as temperaturas podem chegar até -30ºC em algumas regiões. O sul do país fica coberto de neve de três a quatro meses no ano, enquanto ao norte, esse período pode chegar até sete meses. No verão, uma das estações mais esperadas pela população, as temperaturas ficam entre 20 e 30ºC.
Independentemente do clima os finlandeses amam sauna! Dizem que são mais de 2 milhões de saunas para um pouco mais de 5 milhões de habitantes. Existem saunas femininas, masculinas e mistas. As pessoas podem frequentar com roupas de banho, mas o mais comum é não usar nada. E, por mais estranho que pareça para nós, é algo totalmente normal para eles, não há preconceito e muito menos malícia. Eles fazem das saunas, que podem chegar até 100ºC, um ponto de encontro. E a graça para os finlandeses no inverno é ficar na sauna e depois sair ao ar livre, tomar um banho na água congelante do mar ou de um lago, ou até mesmo pular na neve fofa.
Acho bem relativo dizer qual é a melhor época para visitar o país. Se você pesquisar em sites de viagens te garanto que a maioria deles vai dizer para você ir na primavera ou no verão, pois as temperaturas são mais elevadas e agradáveis. Mas calor temos no Brasil, certo? Eu já gosto de frio, amo o inverno e queria ver neve, muita neve! Pois bem, fui no inverno para lá e realizei meu sonho.
Na minha opinião, a melhor época para ir para a Finlândia e Lapônia é no inverno, pois você consegue aproveitar mais o clima natalino do hemisfério norte e os passeios já que a maioria tem a cara do inverno, mas evite o mês de janeiro, pois é um dos meses mais frios e com menos luz solar. Mas também não escondo a minha vontade de visitar a região da Lapônia em julho para poder ver o fenômeno do Sol da Meia-noite, em que o sol fica visível por 24 horas! E por conta da sua posição geográfica, além desse fenômeno, existe outro: a Aurora Boreal. E isso só é possível de se ver porque um quarto do território finlandês situa-se ao norte no Círculo Polar Ártico. E quanto mais próximo do Polo Norte, mais chances de ver esses acontecimentos.
Por ser uma região muito gelada, poucas cidades são populosas. Em Rovaniemi, na Finlândia, por exemplo, são pouco mais de 60 mil habitantes. Localizada na Lapônia finlandesa, a uns 800 quilômetros da capital Helsinki, essa cidade é conhecida como a terra do Papai Noel. A cidade basicamente vive do turismo e fica no clima natalino o ano inteiro. Não é um destino barato, mas posso garantir que vale cada centavo. É um lugar de experiências únicas e inesquecíveis.
Na Vila do Papai Noel é possível tirar foto com o bom velhinho, andar de trenó com renas e huskies e pilotar snowmobile. Além disso, se você tiver um pouco de sorte e o clima colaborar é possível fazer um passeio para caçar as “luzes do Norte”. E posso dizer que essa é uma experiência incrível! Quando fui, estava -22ºC com sensação de -28. Nunca na minha vida eu vi um céu tão estrelado quanto o daquele dia, fico emocionada só de lembrar. Durante as três horas de passeio o guia, além de falar sobre as constelações e lendas locais, prepara chá de berries, lanches e marshmallows na fogueira. E naquele dia foi somente nos últimos minutos de passeio que as luzes apareceram no céu, foi mágico! E se caso você não der sorte e não ver a aurora, te garanto que mesmo assim a experiência vale muito a pena.
Helsinki é a capital da Finlândia e está mais ao sul do país. Por ser uma cidade litorânea suas temperaturas são mais elevadas se comparadas com as cidades do interior do país. Com pouco mais de 600 mil habitantes é a cidade mais populosa de todo território finlandês. Helsinki é conhecida como a capital do design e é possível ver isso em vários pontos da cidade, principalmente na arquitetura.
Enquanto eu estava em terras nórdicas, a ONU publicou um relatório sobre os países mais felizes do mundo e, entre 156 países, a Finlândia está em primeiro lugar. O World Happiness Report trabalhou com indicadores de nativos e imigrantes como expectativa de vida, renda, liberdade, nível de corrupção e políticas de bem-estar social, com dados de 2015 a 2017.
Alguns dizem que a chave para o sucesso do país é a igualdade e a educação. A Finlândia tem um dos melhores índices de sistema educativo do mundo, tem 100% dos habitantes alfabetizados, a escola é gratuita até o ensino médio, não existem universidades privadas e as pessoas falam no mínimo duas línguas (os idiomas oficiais são o finlandês e o sueco).
A língua finlandesa é bem complexa e não se parece em nada com o que estamos acostumados, mas a maioria das pessoas falam inglês, umas com mais sotaque, outras menos, mas, se você souber o inglês, definitivamente a língua não é será um problema.
A culinária finlandesa é interessante. É muito comum encontrar ravintola (restaurante em finlandês e uma das poucas palavras que aprendi) que ofereça carne de caça, como de rena ou de urso. Eles também comem muito salmão, seja cru (até no café da manhã), grelhado ou na tradicional sopa de salmão. O salmão que encontramos lá é de pesca e, é bem diferente e muito mais saboroso do que estamos acostumados no Brasil, já que os daqui são de cativeiro.
Além disso, existe uma variedade enorme de pães e posso dizer que a maioria são integrais, com grãos e cereais. As águas também são interessantes, a maioria possui gás e sabor (nossa, como foi difícil para eu achar água mineral sem gás!). Eles também adoram cidra, existem de diversas marcas, sabores, com álcool ou não.
Mas uma das coisas que eu comi lá e não gostei, mas que eles amam, é o salmiakki. É um confeito salgado feito de alcaçuz e cloreto de amônio, encontrado em doces, sorvetes, chocolates e até licores. Vale a pena experimentar, mas é um sabor que agrada a poucos. São raros os países que possuem um paladar para esse sabor. É possível encontrar salmiakki na Finlândia, Suécia, Noruega e um pouco na Holanda.
Ah, mas se um dia for para a Finlândia não deixe de experimentar os chocolates da Karl Fazer (pronuncia-se “fatzer”), uma marca finlandesa, que na minha opinião compete fácil com os famosos chocolates suíços.
A Finlândia, sem dúvidas, superou minhas expectativas. É um país lindo, desenvolvido e muito bem-educado. As pessoas são receptivas e muito prestativas. Fui muito bem recebida e só tenho uma coisa a dizer: Kiitos, Suomi (obrigada Finlândia).

Pelo_Mundo_ESPM_-_Finl__ndia_(Source) from ESPM on Vimeo.

Deixe Seu Comentário

*Preenchimento obrigatório.