ESPM-SP estreia programa em parceria com o portal Observatório da Imprensa

Geral

Paulo Ranieri

 

Foto: Marina Lahr

O Cartas na Mesa é um programa sobre jornalismo, seus valores e seu papel fundamental na construção da democracia. Concebido para celebrar os 20 anos do Observatório da Imprensa, o programa, que estreia neste dia 9 de maio, reúne duplas de jornalistas para debater temas relacionados ao exercício da profissão na atualidade. A cada programa, veiculado pela internet, um tema é debatido por dois profissionais. Sem a presença de um mediador, a dinâmica da websérie consiste em questões que os próprios jornalistas fazem um para o outro. As perguntas são organizadas em cartas da mesa, retiradas alternadamente pelos participantes, como em um jogo, em que se revelam as ideias de cada profissional sobre os temas tratados. As questões propostas pela produção são complementadas pelo livre debate entre os jornalistas.

O programa é uma parceria do curso de Jornalismo da ESPM-SP com o Observatório da Imprensa. A primeira temporada do Cartas na mesa teve seis programas gravados nos meses de fevereiro e março de 2018, nos estúdios de TV da faculdade, em São Paulo. Cada programa trouxe um tema geral e subtemas específicos para a reflexão e debate pelas duplas de jornalistas. Os trabalhos foram realizados por professores e alunos de Jornalismo da ESPM-SP, além de técnicos da faculdade e do editor do Observatório da Imprensa, Pedro Varoni.

“Imprensa e campanhas políticas” é o tema do primeiro programa da série, que vai ao ar no dia 9 de maio. Em ano de eleições presidenciais no Brasil, Ricardo Kotscho e Clóvis Rossi falam sobre a atuação da imprensa no período após a ditadura militar no Brasil, a cobertura da Operação Lava Jato e o cenário enfrentado pelo jornalismo no período eleitoral.

O segundo programa da primeira temporada tem como tema “Jornalismo Digital”. Natália Mazotte e Adriana Garcia tratam de assuntos como mentalidade startup, jornalismo de dados, interatividade e engajamento. O episódio vai ao ar no dia 16 de maio.

O tema geral do terceiro programa da série é “Desinformação”. O episódio coloca as fake news (notícias falsas) no centro dos debates. Ricardo Gandour e Caio Túlio Costa problematizam as fake news e discutem a forma como o jornalismo é feito hoje, além da atuação da imprensa e dos jornalistas na internet e nas redes sociais. O programa será veiculado no dia 23 de maio.

O quarto programa da série, com o tema “Jornalismo e democracia”, será divulgado no dia 30 de maio. José Hamilton Ribeiro e Humberto Pereira debatem questões como a liberdade de imprensa no Brasil e o jornalismo como forma de resistência.

José Cícero da Silva e Cíntia Gomes são os convidados para o quinto programa, um debate sobre o tema “Jornalismo ativista e investigativo”. No episódio, que vai ao ar no dia 6 de junho, os profissionais discutem quais bandeiras o jornalismo deve defender, como contemplar vozes normalmente excluídas na sociedade e as relações da profissão com o exercício da cidadania no Brasil.

Com o tema “Ética”, o sexto programa, será veiculado em 13 de junho. Eugênio Bucci e Carlos Eduardo Lins da Silva discutem os desafios éticos da profissão, além da pluralidade e a credibilidade no jornalismo.

A coordenadora do curso de Jornalismo da ESPM-SP, professora doutora Maria Elisabete Antonioli, destaca a importância do trabalho em conjunto com o Observatório da Imprensa. “É fundamental para a faculdade estabelecer essa parceria, porque aproxima o curso das discussões mais relevantes para o jornalismo na atualidade. Além disso, é uma oportunidade de participarmos de um marco na história do Observatório da Imprensa, uma instituição importantíssima para as reflexões sobre a atuação dos jornalistas e dos meios de comunicação”, diz.

Para o coordenador do Centro Experimental de Jornalismo da ESPM-SP, Antonio Rocha Filho, que supervisionou o Cartas na Mesa, o programa é uma excelente chance para envolver a comunidade acadêmica em uma grande produção e para permitir contato com profissionais de destaque no jornalismo.

“Os programas tiveram a participação de estudantes de Jornalismo, sob orientação de professores do curso, em todas as fases: pesquisa, produção, roteiro, edição, elaboração de textos, fotos. Profissionais das áreas técnicas da faculdade também foram envolvidos no trabalho. É uma oportunidade ímpar de permitir aos alunos a atividade prática de realização de um programa de entrevistas, com linguagem para a internet, e de acompanharem a discussão de temas fundamentais para nossa atividade profissional”, afirma.

Deixe Seu Comentário

*Preenchimento obrigatório.