Pedal PS e outros grupos de night bikers exploram a cidade de SP

Geral

Paulo Ranieri

Por Alex Shim (8º semestre)

Nos anos 70 surgiu o mountain bike, nos EUA, enquanto, no Brasil, a bicicleta ainda era utilizada apenas como um meio de transporte. Porém, atualmente, é comum encontrar pessoas pedalando durante a noite em São Paulo. Isso começou em 1979, quando foi criado o Night Bikers Clube do Brasil, fundado pela atleta Renata Falzoni. Normalmente, as pedaladas acontecem pelas noites, devido ao baixo número de automóveis pelas ruas da cidade.

De acordo com uma pesquisa do Strava Insights, aplicativo de rastreamento de corrida e ciclismo, a capital paulista é responsável por um recorde: 8% das atividades são registradas depois das 20h, o dobro, comparando-se à segunda colocada, Paris, mostrando a força dos night bikers em uma cidade dominada por automóveis. Cada grupo tem suas próprias normas de procedimento, mas todos obrigam o uso de capacete e luz de segurança, além de contar com guias especializados durante a pedalada. É necessário transitar sempre à direita e manter a bike em dia com as manutenções para evitar qualquer tipo de problema.

Bruno Coimbra, 34 anos, é líder do Pedal PS, um grupo de ciclistas que se encontram todas terças e quintas-feiras, às 20h30, no bairro Jardim Marajoara, zona sul de São Paulo. Às terças, o percurso do passeio é em média de 50km, reunindo por volta de 50 ciclistas que já possuem técnica e bom preparo físico. Já às quintas, a média de quilometragem diminui pela metade, percurso de 25km, reunindo por volta de 100 pessoas e é recomendado para iniciantes que querem começar a pedalar constantemente.

De acordo com o líder dos passeios noturnos, a essência dos night bikers gira em torno da saúde e das amizades. “Primeiramente é reunir amigos que procuram ter uma vida saudável e que têm paixão pela bicicleta”. Bruno fala também que é uma oportunidade de interagir com pessoas de todas as faixas etárias, além de conhecer a cidade pelo ponto de vista único que a bike proporciona. “Conhecer um lugar via bike é totalmente diferente, você sentir os barulhos da cidade, conhecer outros lugares, caminhos que você não conhece, que, com a bicicleta, é possível e mais fácil”.

Ricardo Freitas Nascimento, professor de educação física de 52 anos, fala sobre os benefícios dessa prática. “O passeio contém inúmeros benefícios para sua saúde, seja ela física ou mental. Pedalar queima gorduras, melhora seu fôlego, cura seu coração, aumenta sua capacidade mental e sua disposição aumenta. Além de não estar poluindo o ar, a bicicleta acaba virando uma opção concreta como meio de transporte”. Porém ele fala sobre os cuidados que se deve ter antes de entrar em um grupo. “Com certeza a pedalada noturna não é recomendada para sedentários, portanto é importante saber suas limitações na hora de escolher um grupo para ingressar. Caso não esteja acostumado a praticar esportes frequentemente, é recomendado fazer um check-up com um médico para avaliar sua preparação física e batimento cardíaco”.

O motivo de se unir a um específico grupo é pessoal, significando que cada pessoa tem suas razões. Ricardo da Silva, aposentado de 62 anos, é membro do Grupo Pedal PS e sempre foi apaixonado por bicicletas, inclusive já pedalou até o Rio de Janeiro, em 1979. Ele diz que enxerga os night bikers como um estilo de vida que agrega abundantemente na sua vida. “Os night bikers agregam pessoas, amigos, tantos jovens como pessoas da terceira idade. Estou com 72 e nesse grupo que a gente pedala deve ter uns dez caras com essa idade e todos com vitalidade, isso ajuda a manter a forma física, alegria, conviver com pessoas mais jovens”.

Há ciclistas avançados que procuram pedalar mais de duas vezes ao longo da semana, fazendo parte de pelo menos dois grupos de night bikers. É o caso de Gustavo Saad, comerciante de 41 anos, que faz parte do Corrente do Pedal e do Lokobikers. De segunda e terça, ele frequenta o circuito do Corrente do Pedal e de quarta e quinta, se reúne com os LokoBIKER, ambos com saída do Parque das Bicicletas, zona sul de SP. Ele diz que o pedal é um momento sagrado do seu tempo no qual esquece dos problemas. “Decidi frequentar de segunda à quinta, porque assim tenho mais tempo para me sentir livre”. Por fim, o comerciante acha que a tendência dos passeios noturnos é só crescer. “As pessoas estão transformando os night bikers ou pedal noturno como um estilo de vida. Agora, mais que nunca, a população está procurando preencher seu tempo livre com algum tipo de esporte, visando à saúde”.

 

Grupos de Night Bikers em SP

Pedal PS

Saída: ter. e qui., 20h30 do bairro Jardim Marajoara (R. Moliere, 77)

LokoBIKERS

Saída: seg., qua., qui. e sab., 21h e 16h aos sab do Parque das Bicicletas (Alameda Iraé, 35)

Corrente do Pedal

Saída: seg. à qui., 21h do Parque das Bicicletas (Alameda Iraé, 35)

Bike’n Beer

Saída: ter., 21h do bairro Jardins (Alameda Lorena, 200)

Pedal Paulista

Saída: seg. à qui., 20h30 do bairro Brooklin (Rua Bacaetava, 30)

Eisenbikers

Saída: ter. e qui., 19h30 próximo à Igreja Matriz (Padaria da Serra) – Centro de Itapecerica da Serra

Deixe Seu Comentário

*Preenchimento obrigatório.