Liberdade de imprensa é tema de debate e lançamento de livro

O presidente da ESPM Dalton Pastore e a diretora do Instituto Patrícia Blanco abrem  evento sobre liberdade de imprensa. Foto: Lucas Abreu.

Os presidentes da ESPM Dalton Pastore, e do Instituto Palavra Aberta, Patrícia Blanco, abrem evento sobre liberdade de imprensa. Foto: Lucas Abreu.

Na última quarta-feira (3), o Instituto Palavra Aberta lançou o terceiro volume da coleção Pensadores da Liberdade. O livro é composto por 17 artigos de diferentes profissionais, entre eles, dois professores da casa. O evento, em comemoração ao Dia Internacional da Liberdade de Imprensa, foi realizado na sala de estudos da ESPM-SP e contou com o apoio do curso de Jornalismo da Escola.

O presidente da ESPM, Dalton Pastore Junior, abriu o evento falando sobre a honra que a faculdade teve em receber o instituto e sediar o lançamento. O anfitrião destacou também o compromisso da ESPM em mostrar aos alunos quão importante é a liberdade editorial e, consequentemente, a liberdade de expressão. “Nós temos essa consciência, nós passamos essa consciência aos nossos alunos”, disse.

Patrícia Blanco, presidente do Instituto Palavra Aberta, falou da importância do dia três de maio e o porquê esse dia foi escolhido para o lançamento do livro. “Um dia importante para lembrar-se da liberdade de imprensa como um pressuposto fundamental para a democracia e para a construção da cidadania”, afirmou. Patrícia também destacou que o objetivo do instituto é que “que esses artigos possam fazer a diferença na hora da defesa e da promoção da liberdade de expressão”.

Alguns articulistas que participaram do livro estavam presentes no evento para falar um pouco sobre suas obras. Cássio Andrade, professor de jornalismo da ESPM-SP, destacou que utiliza os primeiros volumes da obra em suas aulas, já que os artigos possuem “uma vastidão de temas e todos muito bem colocados e que enriquecem muito a experiência” sobre o assunto. O professor falou também que sua obra é focada na verdade, ao mostrar que pode ser difícil conviver com ela, mas que negligenciá-la é o maior sinal da pobreza humana. “A verdade é um instrumento importante para a consolidação daquele que é o chamado direito de expressão”, disse.

Marcelo Rech, presidente do Fórum Mundial de Editores, falou da honra de participar de um livro com o título “Pensadores da Liberdade” e também sobre o como o jornalismo pode acabar com o fenômeno das chamadas fake news. De acordo com o autor, o jornalismo profissional e de qualidade é o antídoto para essa distorção da realidade. “Porque sem o jornalismo e a mediação da verdade, nós estaremos à mercê, reféns das mentiras, sem a possibilidade de contra-atacar”, destacou.

Já Dad Squarisi, editora de opinião do Correio Brasiliense, falou sobre a importância da língua para a liberdade. “Se eu conheço todas as possibilidades que a língua oferece eu posso escolher e, se eu posso escolher, eu sou livre”, afirmou. A articulista concluiu dizendo que, por ser o único ser com a capacidade de pensar, o humano é a grande candidata à verdade e que a língua é o instrumento número um para a tal.

+ informações: Veja cobertura fotográfica do evento clicando aqui.

 Por Guilherme Soria e Lucas Abreu (1° semestre)

Notícias Relacionadas

Deixe seu comentário